UA-116285209-1
 
  • Dr. Bruno Benigno

Estenose de JUP: O que é, sintomas e tratamentos.

A estenose de JUP é, basicamente, o estreitamento do canal que conecta o rim à bexiga. Sua sigla ‘’JUP’’ significa ‘’Junção Uretero - Piélica’’. É uma condição rara e mais frequentemente diagnosticada em crianças, o paciente normalmente já nasce com ela.

Contudo, pode ser vista em adultos também, seja por não ter sido diagnosticada previamente na infância ou por uma situação cicatricial, onde a pessoa pode já ter feito uma cirurgia no abdômen por outra causa, desenvolvendo uma cicatriz ao redor do ureter, possivelmente causando um estreitamento, a dilatação do rim ou episódios de cólica recorrente.

Sintomas e diagnósticos da Estenose de JUP:


Os principais sintomas relatados por pacientes que sofrem com essa condição são dores típicas de uma cólica renal e dores recorrentes nas lombares, podendo causar também infecções urinárias de repetição. Dessa maneira, muitos diagnósticos são feitos em prontos-socorros por conta da dor. Todavia, é possível ter um diagnóstico exato com exames de ultrassom, tomografia e cintilografia, que consiste em analisar o tempo que a urina leva para sair do rim e chegar até a bexiga. Existem dois tipos do último exame citado: DTPA e DMSA, dos quais analisam, respectivamente, o fluxo de urina e a identificação de cicatrizes já existentes na porção do rim que é responsável pela filtração de urina.



Como é o tratamento da Estenose de JUP?


O tratamento geralmente é seguro e em casos de estreitamentos leves o paciente pode ser apenas acompanhado.


Mas, na maioria dos casos, o tratamento para essa condição é cirúrgico.

Entretanto, além da correção cirúrgica - conhecida como pieloplastia, onde o segmento que está estenosado é ressecado, fazendo uma reconstrução do ureter, podendo ser realizada por videolaparoscopia ou com auxílio de cirurgia robótica - existe também o tratamento endoscópico que, com o uso do laser, é causada uma abertura interna no ureter e depois colocado um cateter duplo J.



O texto acima foi baseado no bate papo entre o Dr. Bruno Benigno, urologista especialista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz e o Dr. Alexandre Sato, também urologista. Para conferir o vídeo completo acesse e comente o que achou:




Escrito por:



16 visualizações0 comentário