UA-116285209-1
  • Dr. Bruno Benigno

Feridas no pênis. 10 coisas que você precisa saber.

Verrugas, HPV, inflamação, rachaduras, DST (IST), fimose e balanopostite

por: Dr. Bruno Benigno (Urologista - CRM 126265 - São Paulo)




Inflamação no pênis. O que fazer?

Inflamação ou vermelhidão no pênis e região genital é uma condição muito frequente e que leva milhares de homens a procurar o urologista todos os anos.

Uma gama ampla de doenças pode provocar sintomas muito semelhantes como a vermelhidão na pele.


O trabalho do urologista é diferenciar as causas mais frequentes, de condições mais raras e propor o tratamento mais adequado.


Fungos, vírus, bactérias, protozoários, agentes químicos ou mesmo doenças auto-imunes podem provocar os mais variados quadros clínicos.


Em situações onde não é possível chegar a um diagnóstico apenas com avaliação física do paciente, pode ser necessário fazer uma biópsia.


Todas as lesões no pênis devem ser avaliadas por um médico especialista, urologista.

Automedicação é perigosa e pode causar danos sérios, tanto estéticos quanto do ponto de vista funcional.


Machucado após a relação

Normalmente traumas microscópicos na pele do pênis ocorrem durante a relação sexual. Essas pequenas fissuras são percebidas apenas como áreas de vermelhidão na glande e na região do prepúcio, que é a pele que recobre a glande em homens não circuncidados.


Quando a frequência desses episódios é muito alta, ou machucados visíveis ocorrem após a relação sexual, pode ser um sinal de uma perda de elasticidade da pele do prepúcio e da glande.


A perda de elasticidade da pele ocorre pelo contato crônico com gotas de urina, umidade, temperatura elevada, ou pelo entupimento das glândulas responsáveis pela lubrificação da pele do prepúcio, conhecidas como glândulas de Tyson.


Esse processo é lento e intercalado com períodos de melhora dos sintomas, mas em alguns casos pode se apresentar como a balanopostite crônica.


Este quadro representa um estágio avançado de perda de elasticidade da pele, podendo levar à fissuras permanentes no prepúcio, secreção amarelada, sangramentos eventuais ou mesmo áreas de aderência entre o prepúcio e a glande.


A área de cicatriz costuma assumir o formato de um anel ao redor da glande, levando a dificuldade para expor a extremidade do pênis ou mesmo realizar a higiene diária. A este quadro damos o nome de fimose do adulto.

O tratamento costuma ser cirúrgico nesta situação, através da postectomia.


Pomada ou creme cicatrizante

Pomada e cremes são duas formas de administração de medicações na pele. Costumamos usar a pomada em situações onde a pele está ressecada e sem umidade. Já a apresentação de creme é preferida em situações onde existe uma grande quantidade de secreção e não queremos aumentar a sensação de desconforto do paciente com o uso de produtos à base de óleo.


Antibióticos, antifúngicos e medicações antivirais podem ser administradas tanto na forma de creme ou pomadas A escolha é baseada nas preferências do médico e paciente.


Doenças penianas causadas por fungos

A infecção por fungo é muito frequente e o agente mais comum encontrado na prática clínica é a espécie candida albicans.


Geralmente as infecções por fungos ocorrem em pacientes com baixa imunidade ou que possuem um ambiente quente e úmido na região do prepúcio, isto favorece o desenvolvimento de diversas espécies de agentes infecciosos.


Outras doenças, como a paracoccidioidomicose cutânea, podem causar infecções na região genital. Contudo esses agentes infecciosos são mais frequentes em áreas rurais e em condições onde a assistência médica é precária.


Balanopostite

Significa a inflamação da glande e do prepúcio ao mesmo tempo.

Pode ser do tipo aguda ou crônica. Costuma ser causada por agentes químicos, fungos, bactérias ou vírus.


Fimose do adulto

A fimose do adulto é um quadro que geralmente se instala após longos períodos de balanopostite crônica sem tratamento.

Resulta da gradual perda de elasticidade da pele do prepúcio, formando um anel estreito que envolve o corpo do pênis e dificulta a exteriorização da glande.

O quadro geralmente é tratado através de uma cirurgia para retirada completa da pele do prepúcio, conhecida como postectomia.


Postectomia

A postectomia ou circuncisão é o procedimento cirúrgico que remove, parcial ou totalmente, a pele que envolve a glande (o prepúcio).

Comumente esta cirurgia é realizada ainda na infância, nos meninos que não conseguem fazer a higiene adequada do pênis.


Em adultos, costuma ser indicada em situações onde houve uma perda completa ou parcial da elasticidade do prepúcio, levando a um quadro de vermelhidão, irritação, ferimentos superficiais ou mesmo a formação de um anel estreito de pele que dificulta a exteriorização da glande.


A cirurgia é feita em clínica especializada ou hospital, com anestesia local. Costumamos associar a sedação para maior conforto do paciente durante o procedimento.

A recuperação completa após a cirurgia costuma ocorrer de três a quatro semanas após.


Atividades físicas intensas devem ser evitadas por 45 dias.

A cirurgia não altera a capacidade de ereção ou mesmo a sensibilidade do órgão.


Como identificar doenças no pênis?

As manchas do pênis podem ser identificadas através de um exame físico pelo urologista, exames de laboratório ou através de uma biópsia da lesão.


Coceira

A coceira é muito frequente em IST 's como o herpes genital, a proctite ou a pediculose pubiana e está, normalmente, associada a infecções. Alergias também são causa frequente de coceira.


Vermelhidão

Quadro em comum geralmente está associado a balanopostite crônica por fungos, bactérias ou vírus.


Dor

Dor na região do pênis não é rara e merece atenção de forma imediata.

Traumas locais, infarto peniano, prostatite, infecções na uretra ou mesmo crises de cólica renal podem levar a um quadro de dor genital.

O urologista deve sempre ser contactado nesta situação.


Bolhas

A principal causa de bolhas na região peniana ocorrem em decorrência da infecção pelo vírus do herpes. alergias, queimaduras ou reações medicamentosas podem simular quadros semelhantes.


Corrimento

Corrimento pela uretra geralmente está associado a infecção pela chlamydia trachomatis ou pelo gonococo (gonorreia).

O tratamento requer a utilização de antibióticos.


Dor ou queimação ao urinar

Queimação para urinar pode representar uma inflamação na próstata, bexiga ou uretra.

É necessário um exame de urina para identificar a causa específica e iniciar o tratamento adequado.


VERRUGAS

HPV

O HPV é a principal causa de verrugas genitais. O diagnóstico só pode ser confirmado através da biópsia das verrugas seguida pela análise genética, com objetivo de identificar qual o subtítulo de risco do vírus ( alto risco ou baixo risco).

Até o momento não existem exames de sangue que possam confirmar ou afastar a infecção pelo HPV.

Para os homens que não tiveram contato com HPV de alto risco, a vacinação pode ser recomendada.

O tratamento de pequenas lesões pode ser feito com substâncias cáusticas (podofilina). Já nos casos Onde encontramos lesões de grande volume ou em grande quantidade, preferimos as técnicas de cauterização em centro cirúrgico, objetivando melhorar o conforto do paciente.




Brianti, Pina, Eduardo De Flammineis, e Santo Raffaele Mercuri. “Review of HPV-Related Diseases and Cancers”, [s.d.], 6.

Graham, Sheila V. “The Human Papillomavirus Replication Cycle, and Its Links to Cancer Progression: A Comprehensive Review”. Clinical Science 131, no 17 (1o de setembro de 2017): 2201–21. https://doi.org/10.1042/CS20160786.

Kalińska-Bienias, Agnieszka, Cezary Kowalewski, e Sławomir Majewski. “The EVER genes – the genetic etiology of carcinogenesis in epidermodysplasia verruciformis and a possible role in non-epidermodysplasia verruciformis patients”. Advances in Dermatology and Allergology 2 (2016): 75–80. https://doi.org/10.5114/ada.2016.59145.

Liu, Jiaming, Jin Yang, Yuntian Chen, Sihang Cheng, Chao Xia, e Tuo Deng. “Is Steroids Therapy Effective in Treating Phimosis? A Meta-Analysis”. International Urology and Nephrology 48, no 3 (março de 2016): 335–42. https://doi.org/10.1007/s11255-015-1184-9.

McPhee, Arthur S., e Alastair C. McKay. “Phimosis”. In StatPearls. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing, 2019. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK525972/.

Offenbacher, Joseph, e Andrew Barbera. “Penile Emergencies”. Emergency Medicine Clinics of North America 37, no 4 (novembro de 2019): 583–92. https://doi.org/10.1016/j.emc.2019.07.001.

Rai, Bhavan Prasad, Asim Qureshi, Nourdin Kadi, e Roland Donat. “How Painful Is Adult Circumcision? A Prospective, Observational Cohort Study”. Journal of Urology 189, no 6 (junho de 2013): 2237–42. https://doi.org/10.1016/j.juro.2012.12.062.

Siev, Michael, Mohamed Keheila, Piruz Motamedinia, e Arthur Smith. “Indications for Adult Circumcision: A Contemporary Analysis”. The Canadian Journal of Urology 23, no 2 (abril de 2016): 8204–8.


314 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

©  2019 por Clínica Uro Onco. Responsável técnico: Dr. Bruno Benigno CRM SP: 126265

  • Instagram ícone social
  • LinkedIn ícone social
  • YouTube ícone social
  • Twitter ícone social
  • Facebook ícone social
  • Google+ ícone social