top of page

O que é a escala de Gleason para o câncer de próstata?

Dr. Bruno Benigno: Olá a todos, sou o Dr. Bruno Benigno, uro-oncologista e diretor da Clínica Uro Onco em São Paulo. No vídeo de hoje, abordaremos um tema de extrema importância para os homens: a escala de Gleason e sua relevância no câncer de próstata. Vamos começar!



[Bloco 1: Fatores de risco, PSA e biópsia para diagnóstico do câncer de próstata]

Dr. Bruno Benigno: Antes de falarmos sobre a escala de Gleason, é fundamental entendermos alguns conceitos essenciais relacionados ao câncer de próstata. Primeiramente, existem fatores de risco que podem aumentar a probabilidade de desenvolver essa doença, como idade avançada, histórico familiar e etnia.


Uma das principais ferramentas para detectar o câncer de próstata é o exame de sangue chamado PSA (Antígeno Prostático Específico). O PSA elevado pode indicar a presença de câncer, porém, é importante destacar que nem todo aumento de PSA está associado ao câncer, podendo ser resultado de condições benignas.


Quando há suspeita de câncer de próstata, o médico pode solicitar uma biópsia. Essa é uma técnica que envolve a coleta de pequenas amostras de tecido prostático para análise em laboratório.


[Bloco 2: Tipos de biópsia de próstata: transretal ou transperineal. Riscos e benefícios]

Dr. Bruno Benigno: Existem dois tipos comuns de biópsia de próstata: a transretal e a transperineal. Na transretal, as amostras de tecido são obtidas através do reto, enquanto na transperineal, são coletadas através da pele entre o escroto e o ânus.


Ambos os procedimentos possuem riscos e benefícios. A transretal é mais comum e menos invasiva, porém pode estar associada a um pequeno risco de infecção. Já a transperineal é mais precisa na obtenção das amostras, mas pode ter um tempo de recuperação um pouco mais longo.

É importante discutir com o médico urologista sobre qual método é mais adequado para o seu caso, levando em consideração fatores individuais.


[Bloco 3: Como o médico patologista calcula o escore de Gleason no tecido da biópsia]

Dr. Bruno Benigno: Agora vamos falar sobre a escala de Gleason. O escore de Gleason é uma forma de classificar a agressividade do câncer de próstata com base nas características observadas no tecido da biópsia.


O patologista analisa as amostras de tecido e atribui um escore de Gleason a cada área com células cancerígenas. O escore varia de 2 a 10, sendo 2 o menos agressivo e 10 o mais agressivo.


[Bloco 4: Como calculamos a agressividade e a chance de cura, baseado na escala de Gleason]

Dr. Bruno Benigno: Com base nos escores de Gleason obtidos, é possível determinar o grau de agressividade do câncer de próstata. Quanto maior o escore, maior a probabilidade de crescimento rápido e disseminação da doença.


A partir dessa informação, o médico urologista pode planejar o tratamento mais adequado. Em casos de câncer de próstata de baixo risco, pode-se optar por acompanhamento ativo, enquanto em casos de câncer mais agressivo, é necessário considerar tratamentos como cirurgia, radioterapia, terapia hormonal ou uma combinação deles.


É importante ressaltar que a escala de Gleason é apenas um dos fatores utilizados na avaliação do câncer de próstata. Outros fatores, como o estágio da doença e a presença de metástases, também são considerados para determinar o prognóstico e o tratamento mais adequado.


[Bloco 5: Mensagem final e agradecimento]

Dr. Bruno Benigno: Chegamos ao final deste vídeo informativo sobre a escala de Gleason e sua importância no câncer de próstata. Espero que as informações apresentadas tenham sido úteis para vocês.


Gostaria de agradecer a todos pela atenção e interesse no assunto. Caso queiram saber mais sobre o câncer de próstata, seus tratamentos e os serviços oferecidos pela Clínica Uro Onco, convido-os a visitar nosso site em www.clinicauroonco.com.br.


Lembre-se, a detecção precoce é fundamental para aumentar as chances de cura. Realize consultas regulares com seu urologista e esteja atento aos sinais e sintomas. Cuide-se e até a próxima!




72 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page