top of page

Vaporização a laser Greenlight versus ressecção transuretral da próstata: Qual é a melhor opção?

A vaporização a laser Greenlight versus a ressecção transuretral da próstata no tratamento da obstrução prostática benigna: evidências de estudos controlados randomizados



A ressecção transuretral da próstata (RTUP) é considerada o padrão ouro no tratamento cirúrgico para a obstrução prostática benigna (BPO). No entanto, a RTUP também está associada a complicações perioperatórias, especialmente em pacientes de alto risco cirúrgico ou com grande volume prostático.


Na última década, surgiram diversas tecnologias de laser transuretral como opções cirúrgicas minimamente invasivas para o tratamento da BPO, incluindo a vaporização fotoseletiva da próstata (PVP) com laser Greenlight. Essa técnica utiliza um laser de disparo lateral e tem sido aprimorada ao longo dos anos. Vários estudos clínicos randomizados têm confirmado sua eficácia e segurança em comparação à RTUP.


No entanto, revisões sistemáticas e meta-análises têm apresentado algumas limitações, como a heterogeneidade dos dados e diferentes tempos de acompanhamento dos pacientes. Em um estudo que avaliou nove ensaios clínicos randomizados, envolvendo 448 pacientes submetidos à PVP e 441 à RTUP, seis estudos não mostraram diferenças entre os dois procedimentos, dois favoreceram a RTUP e um favoreceu a PVP. (1)


Os resultados desses estudos mostram que tanto a vaporização a laser Greenlight quanto à ressecção transuretral da próstata podem ser opções eficazes e seguras para o tratamento da obstrução prostática benigna. Como especialistas na área, nossa equipe está pronta para ajudá-lo com todas as suas dúvidas e preocupações. Entre em contato conosco para obter mais informações e discutir qual abordagem cirúrgica é mais adequada para você.



1- Elhilali MM, Elkoushy MA. Greenlight laser vaporization versus transurethral resection of the prostate for the treatment of benign prostatic obstruction: evidence from randomized controlled studies. Transl Androl Urol. 2016 Jun;5(3):388-92. doi: 10.21037/tau.2016.03.09. PMID: 27298788; PMCID: PMC4893504.




286 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page